HORÁRIO DE ATENDIMENTO De segundas às sextas-feiras,
das 7h30min às 11h30min, 13h às 17h

Inicia o combate ao borrachudo em Teutônia

29 de novembro, 10h09min

divulgação
Aplicação de BTI inicia no sábado
Aplicação de BTI inicia no sábado

Com as proximidades do verão, um velho inimigo volta. Ele é pequeno, mas incomoda muito, pois sua picada resulta em bolhinhas de sangue, leve inchaço e, em muitas pessoas, alergias. É o mosquito borrachudo, que habita as margens de córregos e causa transtornos para toda a população. Por isso, todo ano, nas proximidades do verão se intensifica o combate ao inseto.
Em Teutônia não é diferente. No sábado, dia 30 de novembro, a Secretaria de Agricultura e Meio Ambiente e a Vigilância Sanitária iniciam a aplicação do larvicida biológico BTI nas margens dos córregos do município, numa área total de 153 quilômetros. Mais de 50 aplicadores voluntários e capacitados para utilizar o larvicida percorrerão os mananciais de água durante o sábado. Mais duas aplicações do larvicida devem ocorrer ao longo dos próximos 30 dias.
Para a secretária de Agricultura e Meio Ambiente, Nara Regina Nichterwitz, o uso do larvicida biológico é uma conquista para os produtores rurais que sofriam com a proliferação dos borrachudos nas lavouras e, também de toda a população. “Nos comprometemos em olhar com carinho para o nosso homem do campo e estamos assim facilitando seu trabalho dia a dia na propriedade. O combate do borrachudo não beneficia só os agricultores, mas, sim, toda a população”, destaca.

O BTI

Segundo o coordenador da Vigilância Sanitária de Teutônia, Evandro Borba, a base do produto é uma bactéria, que mata a larva do inseto. “O larvicida é diluído em água na proporção adequada e espalhado pelas margens dos arroios e riachos. Em poucos segundos, forma-se uma espuma. Segundo estudos da Embrapa, o larvicida não faz mal à saúde das pessoas, de peixes e de outros animais”, explica.
Borba acrescenta que, no entanto, o BTI não resolve todo o problema. “Para controlar a proliferação dos borrachudos, é preciso que a população também faça sua parte. Não jogar lixo no arroio ou riacho também ajuda muito no controle dos borrachudos, porque, além de pedras e folhas, as larvas gostam de se fixar em sacos plásticos jogados na água”, adverte.

CRÉDITOS DO TEXTO: Édson Luís Schaeffer